Maria Margarida Ribeiro, docente da Escola Superior Agrária do IPCB, apresentou a comunicação oral “O medronheiro: passado e futuro” na conferência no Congresso Nacional dos Recursos Silvestres.

O trabalho apresenta o resultado da modelação na área de distribuição da espécie para o passado e para o futuro, em dois cenários de aquecimento global para os anos de 2050 e 2070, e teve como autores Maria Margarida Ribeiro, Alice Maria Almeida, Maria João Martins, Manuel L. Campagnolo e Paulo Fernandez.

A modelação para o passado foi validada com dados fósseis e moleculares. Para o futuro, em ambos os cenários, prevê-se um aumento na temperatura média anual e uma diminuição da precipitação, nos dois momentos temporais. Os mapas obtidos para o futuro mostram que a espécie irá ser fortemente afetada e tenderá a migrar para Norte. Essa migração dependerá da capacidade da espécie em acompanhar as mudanças e na velocidade de adaptação às alterações ambientais.

A comunicação resume a investigação realizada numa publicação em revista do grupo Nature, com elevado impacto (Q1) e revisão por pares (https://www.nature.com/articles/s41598-021-03996-0). O trabalho foi financiado pelo Centro-01-0145-FEDER-000019-C4-Centro de Competências em Cloud Computing e pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, através dos centros de investigação CERNAS-IPCB (UIDB/00681/2020), CEF (UIDB/00239/2020) e MED&CHANGE (UIDB/05183/2020).

No mesmo congresso, o docente Carlos Gaspar Reis apresentou a comunicação oral “A cultura da figueira-da-índia em Portugal no contexto das alterações climáticas”. As alterações climáticas são um dos maiores desafios que a humanidade enfrenta atualmente. Os modelos projetam um cenário alarmante com impacto muito negativo na região mediterrânea. Neste contexto é importante dispor de culturas alternativas que se adaptem a condições adversas de menor disponibilidade de água, temperaturas elevadas e solos pobres. A figueira-da-índia é uma cultura alternativa para algumas regiões de Portugal, onde se prevê um forte impacto causado pelas alterações climáticas, contribuindo para a segurança alimentar (food security). Foram apresentados resultados relativos à composição do fruto para alimentação humana, utilização das plantas na alimentação animal e importância desta espécie no sequestro de carbono.

Carlos Gaspar Reis e Maria Margarida Ribeiro apresentaram ainda a comunicação em poster “As populações portuguesas de Opuntia ficus-indica apresentam baixa diversidade genética”.

A docente Fernanda Delgado e o investigador David Franco Frazão apresentaram a comunicação em poster “A resina de esteva como ingrediente para produtos cosméticos e cosmacêuticos: avaliação de propriedades in vitro”.

Partilhe